Cuba

Prof. Dr. phil. Berthold Zilly

Bild_Berthold_15_5_03_13710023__1_

Instituto de Estudios Latinoamericanos

Profesor honorario de la Universidad de Bremen

Professor

Endereço Rüdesheimer Str. 54-56
Sala 235
14197 Berlin
Telefone 83853092/ 83853072
Fax 83855464
E-mail zilly@zedat.fu-berlin.de

Horário de atendimento

Universität Bremen

Fachbereich 10

Sprach- und Literaturwissenschaften

– Iberoromanische Literaturwissenschaft –

Postfach 330440

28334 Bremen

Tel. 421-2183032

Atividades profissionais 

Principais atividades profissionais

  • 1974-78, 1980-81, 1982 até hoje: professor como „Akademischer Rat und Lektor“ no Instituto Latinoamericano da Universidade Livre de Berlim (Freie Universität Berlin) ;
  • desde 2004 : professor honorário (‘Honorarprofessor’) de literaturas românicas e especialmente literaturas latinoamericanas na Universität Bremen (Universidade de Bremen);
  • desde 1976-hoje: membro de bancas examinadoras para tradutores no Staatliches Prüfungsamt für Übersetzer Berlin (Departamento Estadual de Berlim para Exames de Tradutores).
  • Atividades no Lateinamerika-Institut da FU Berlin (um instituto interdisciplinar de estudos latinoamericanos) e no Fachbereich 10 da Universidade de Bremen: docência e pesquisa nas áreas de língua portuguesa, tradução e teoria da tradução, literatura latinoamericana com enfoque especial na literatura brasileira; orientação de alunos, mestrandos e doutorandos.
  • Desde 1970: planejamento, organização, moderação, dentro e fora da Universidade, no Brasil, na Alemanha e em outros países, de centanas de eventos de intercâmbio acadêmico e cultural – palestras, debates, exposições, concertos, projeções de filmes, colóquios – principalmente com respeito à cultura brasileira, também em colaboração com o DAAD, o Instituto Goethe, Inter Nationes, a DSE (Deutsche Stiftung für Internationale Entwicklung, hoje: InWEnt), o Instituto Cultural Brasileiro na Alemanha (ICBRA), a Sociedade Brasil-Alemanha (DBG), dem Ibero-Amerikanischen Institut Berlin, Casas da Cultura e Literatura (p.e. Literaturhaus Berlin), galerias, livrarias, escolas públicas, o Bundespresseamt (Departamento Federal de Imprensa e Informação), Escolas de Extensão Cultural (Volkshochschulen), fundações, igrejas, ou instituições afins.
  • Desde 1978: Numerosas palestras proferidas em todo o Brasil, na Alemanha, França, Inglaterra, Àustria, Suíça, Estados Unidos, Argentina e Cuba, sobre literatura brasileira, literatura alemã, literatura comparada e tradução.
  • 1973-74: professor de português e espanhol em escolas de língua e escolas de extensão cultural para adultos (Volkshochschulen); tradutor português-alemão
  • 1978-80: professor de alemão e coordenador da Casa de Cultura Alemã em Fortaleza
  • 1981-82: funcionário responsável por assuntos latino-americanos na Fundação Alemã para o Desenvolvimento Internacional (DSE, hoje: InWEnt), em Bad Honnef/ Bonn: organização de seminários sobre América Latina para especialistas da cooperação técnica, cultural e diplomática. 1982-1996 colaborador livre da mesma Instituição.

Atividades como professor visitante

  • Professor de língua e literatura alemã e coordenador da Casa de Cultura Alemã na Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 1978-1980.
  • Curso de pós-graduação no Departamento de Teoria Literária da USP (Universidade de São Paulo), agosto-setembro de 1997: „A tradução como análise, reinterpretação e atualização da obra literária: O caso de Os Sertões e outros casos“.
  • Curso de pós-graduação no CPDA - Curso de Pós-graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade da UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro), setembro 98 - dezembro 98, fev. de 99 a abril 99, agosto de 99 a outubro de 99: „Os Sertões de Euclides da Cunha e outros ‚sertões‘: Espaços ‚incivilizados‘ e nação em representações literárias“.
  • Curso na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (URGS) sobre Lima Barreto, em agosto de
  • 2002 (1 semana).
  • Professor honorário de literatura latinoamericana na Universidade de Bremen, desde 2004.

Formação acadêmica

  • Estudos nas universidades de Bonn, Caen, São Paulo (Universidade de São Paulo – USP), Berlim (Freie Universität Berlin – FU).
  • 1972: Mestrado (Magisterprüfung), na Universidade Livre de Berlim (FU), em literaturas neolatinas e alemã, com dissertação sobre o teatro de Molière, não publicada (menção: “muito bom”).
  • 1976: Doutorado em literaturas neolatinas e alemã, na Universidade Livre de Berlim, com tese sobre Molières „L'Avare“: Zur Kritik der bürgerlichen Gesellschaft im 17. Jahrhundert,     („ O Avarento de Molière: contribuição para a crítica da sociedade burguesa no século XVII“), publicada em 1979 (menção: „summa cum laude“).

Cargos honorários

  • Membro do curatório (Kuratorium) da Deutsch-Brasilianische Gesellschaft/ Sociedade Brasil-
  • Alemanha, com sede em Bonn e Berlim, desde 2000.
  • Sócio correspondente do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHBa), desde 2001.
  • Membro do PEN Club Alemão e Internacional, desde 2003.
  • Sócio correspondente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), desde 2004.
  • Membro do Comitê Assessor da revista Humboldt, do Instituto Goethe, desde 2005.
  • Membro do Conselho da associação Freunde des Ibero-Amerikanischen Instituts Berlin, desde 2005

Prêmios e condecorações

  • Prêmio Wieland de tradução (Wieland-Übersetzerpreis), do Estado de Baden-Württemberg, 1995, por Krieg im Sertão, tradução alemã de Os Sertões, de Euclides da Cunha.
  • Prêmio Jane Scatcherd, 1995, da Fundação Heinrich Maria Ledig Rowohlt, Hamburgo, pela mesma tradução.
  • Prêmio 1995 da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes), pela divulgação da literatura brasileira no exterior (entregue em 1996).
  • Comendador da Ordem do Cruzeiro do Sul, Presidência da República, 2001.
  • Placa „Homenagem ao centenário de Os Sertões“, („Por sua contribuição em favor da difusão do
  • pensamento euclidiano presta-se esta homenagem ao Professor Berthold Zilly“), São José do Rio Pardo, 2002.
  • Comendador da Ordem do Mérito Cultural, Ministério da Cultura, Brasília, novembro de 2006.

Livros:

  • Molières “L’Avare“: Zur Kritik der bürgerlichen Gesellschaft im 17. Jahrhundert. Rheinfelden: Schäuble, 1979 [tese de doutoramento de 1976]
  • Materialien zur Einführung in die Lateinamerikanistik. 2 vols. Barbara Koczauer, Ineke Phaf, Berthold Zilly (orgs.). Berlin: Lateinamerika-Institut, 1987.
  • Brasilien, Land der Vergangenheit? Ligia Chiappini e Berthold Zilly (orgs.). Frankfurt am Main: TFM, 2000 [atas de um simpósio com o mesmo título, organizado em Berlim por L. Ch. e B.Z., junho de 1998].
  • Brasil, país do passado? Ligia Chiappini, Antonio Dimas, Berthold Zilly (orgs.). São Paulo: Boitempo, 2000 [edição brasileira do livro precedente].
  • De Sertões, desertos e espaços incivilizados, Angela Mendes de Almeida, Berthold Zilly e Eli Napoleão de Lima (orgs.). Rio de Janeiro: Mauad, 2001 [atas de um simpósio concebido por B.Z. e E.N., na UFRRJ, em novembro 1999].

Artigos e seleção de entrevistas :

  • “Länderbericht Brasilien“, In: Lateinamerika, Analysen und Berichte, vol. 2. Berlin: Olle und Wolter, 1978, p. 227-248.
  • „Tendências atuais da literatura alemã: alguns apontamentos“. In: Clã, no 26. Fortaleza, 1980, p. 188-196.
  • „Von der Verantwortung des Theaters: Anmerkungen zu Ariane Mnouchkines Méphisto“. In: Spectaculum 34. Frankfurt a.M.: Suhrkamp, 1981, p. 295-302.
  • „Que tiene que veer El beso de la mujer araña com la cooperación“?. In: Desarrollo y cooperación, no 5. Bonn, 1981, p. 29-30.
  • „A guerra de Canudos e o imaginário da sociedade sertaneja em Os Sertões de Euclides da Cunha: da crônica à ficção“. In: Lígia Chiappini e Flávio Wolf de Aguiar (orgs.), Literatura e história na América Latina. São Paulo, Edusp, 1993, p. 37-47.
  • „Nachwort“, In: Euclides da Cunha, Krieg im Sertão, Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1994, pgs. 757-783.
  • „Streiflichter auf die Literatur: Brasilianische Erzählkunst zwischen Weltstadt und Sertão“, in: Frankfurter Allgemeine Zeitung, 27.11.1995, p. B 11.
  • „Euclides da Cunha na Alemanha“. In: Estudos Avançados, no 26. São Paulo: IEA-USP, abril 1996, p. 329-350 [posfácio da tradução alemã de Os Sertões, traduzido ao português por Marcus V. Mazzari; na internet: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103- 40141996000100027&lng=en&nrm=iso].
  • „Um depoimento brasileiro para a história universal: traduzibilidade e atualidade de Euclides da Cunha“. In: Humboldt, no 72. Bonn: Inter Nationes, jun. 1996, p. 8-12 (publicado também na Revista de Estudos Euclydes da Cunha, ano 1, nr. 1, Salvador: Universidade Estadual da Bahia-Centro de Estudos Euclydes da Cunha, 1996, p. 127- 135);  na internet:  http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/brasil/cpda/estudos/nove/zilly9.htm
  • Die Einsamkeit des Langstreckenläufers: Dankrede Berthold Zillys anlässlich der Verleihung des Wieland Übersetzerpreises“. In: Tópicos. Deutsch-Brasilianische Hefte/ Cadernos Brasil-Alemanha, no. 3, Bonn, 1996, p. 52-56.
  • „Discurso de agradecimento“. In: Cadernos de Tradução, nr. 1. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina - G.T de Tradução, 1996, p. 355-363 [versão portuguesa do artigo anterior, traduzido por Mauri Furlan; na internet: http://www.pget.ufsc.br/publicacoes/professores/MauriFurlan/Mauri_Furlan_-_Discurso_de_Agradecimento_CAD_01.doc].
  • „Der Sertão als Wiege der Nation? Zwölf Thesen zu Ethnien und Nationbildung in Os Sertões von Euclides da Cunha“. In: Dietrich Briesemeister, Sérgio P. Rouanet (orgs.): Brasilien im Umbruch. Frankfurt a.M.: TFM, 1996, p. 275-293.
  • „Narziss und Ikarus“ In: Mário de Sá Carneiro, Lúcios Bekenntnis, Aus dem Portugiesischen übersetzt von Berthold Zilly, Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1997, pgs. 121-134 [posfácio da tradução de Confissão de Lúcio, de Mário de Sá-Carneiro, para o alemão].
  • „Entrevista com Berthold Zilly, tradutor de Os Sertões para o alemão“, in: Cadernos de Literatura em Tradução, nr. 1, São Paulo: USP, 1997, p. 111-126 [entrevista concedida a Maria Teresa Machado, Paula Arbex, Irene Hirsch em 11 de setembro de 1997].
  • „Humanismo e Terror“, in: Cult, Revista Brasileira de Literatura, nr. 4, São Paulo, novembro de 1997, p. 44-45 [entrevista de Manoel da Costa Pinto com Berthold Zilly; na internet: http://www.vicenteeflavia.pro.br/lite5.htm].
  • „Um depoimento brasileiro para a história universal – traduzibilidade e atualidade de Euclides da Cunha“, in: Estudos Sociedade e Agricultura, n° 9, Rio de Janeiro: UFRRJ, outubro de 1997, p. 5-15 [artigo em grande parte idêntico com o da Revista Humboldt n° 72, de 1996].
  • „Civilização versus barbárie. Um confronto entre Facundo (1845) de Sarmiento e Os Sertões (1902), de Euclides da Cunha“, in: Flávio Aguiar, José Carlos Sebe Bom Meihy, Sandra Guardini Vasconcelos (orgs.). Gêneros de Fronteira. Cruzamento entre o histórico e o literário. São Paulo: Centro Ángel Rama / Xamã, 1997, p. 93-100.
  • „A guerra do sertão como evento de mídia na Europa de 1897“, in: Anos 90, Revista do programa de pós-graduação em história, n° 7, Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, julho de 1997, p. 59-87.
  • „Guetos e arquipélagos: Divisão e degradação do espaço nas megalópoles brasileiras“, in: Tempo Brasileiro, nr. 132, Rio de Janeiro, janeiro-março de 1998, p. 117-137.
  •  „Um parceiro anônimo de Euclides da Cunha: Tradutor de Os Sertões comenta livro com 69 fotos de Flávio de Barros sobre a guerra de Canudos“, in: Gazeta Mercantil, São Paulo, 2/7/1998, Caderno Fim de Semana, p. 3.
  • „A guerra como painel e espetáculo: A História encenada em Os Sertões de Eu­cli­des da Cunha”, in: Revista História, Ciências, Saúde: Manguinhos, Rio de Janeiro, Fundação Oswaldo Cruz, vol. 5, suplemento, julho de 1998, p. 13-37 [publicado também em História: Questões & debates, Curitiba, APAH, ano 14, no. 26/27, janeiro a dezembro 1997, p. 46-79; artigo em grande parte idêntico com “Quadros de cenas de uma guerra. História encenada em Os Sertões de Euclides da Cunha”, publicado na internet: http://members.tripod.com/~lfilipe/zilly2.htm; www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-59701998000400002&script=sci_arttext - 131k; http://www.euclidesdacunha.org/conferenciaoficial97.htm]
  • „Flávio de Barros, o ilustre cronista anônimo da guerra de Canudos: As fotografias que Euclides da Cunha gostaria de ter tirado“, in: Revista História, Ciências, Saúde: Manguinhos, Rio de Janeiro, Fundação Oswaldo Cruz, vol. 5, suplemento, julho de 1998, p. 316-320 [artigo em grande parte idêntico com o da Gazeta Mercantil, publicado na internet: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 59701998000400018&lng=en&nrm=iso; uma versão abreviada saiu como „Flávio de Barros, o ilustre cronista anônimo da guerra de Canudos“, in História Oral: Revista da Associação Brasileira de História Oral, nr. 1°, junho de 1998, p. 195-197].
  • „‘Policarpo Quaresma‘ ganha edição crítica: A obra-prima de Lima Barreto é publicada na Coleção Archivos da Unesco“. In: Jornal do Brasil, 9/1/99 (Caderno Idéias).
  • „Canudos per Telegraph: Der Krieg von Canudos als ‚Medienereignis‘ im Europa des Jahres 1897“. In. ABP: Zeitschrift zur portugiesischsprachigen Welt, 2/1998, Frankfurt: IKO, 1998, p. 121-136. (=Die sozioreligiöse Bewegung von Canudos (1893-1897), Teil II: Literatur, Presse und Kunst).
  • „Sertão e nacionalidade: formação étnica e civilizatória do Brasil segundo Euclides da Cunha“. In: Estudos Sociedade e Agricultura, nr. 12.  Rio de Janeiro: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro/CPDA, abril de 1999, p. 5-45.
  • „Flávio de Barros, o ilustre cronista anônimo da guerra de Canudos“. In: Estudos Avançados, 13 (36), São Paulo: USP/ Instituto de Estudos Avançados, 1999, p. 105-113 [republicação].
  • „A reinvenção do Brasil a partir dos sertões". In: Humboldt, N° 80, Bonn: Inter Nationes, 2000, p. 44-51.
  • “A reinvenção do Brasil a partir dos sertões: viagem e literatura em Euiclides da Cunha”. Veredas 3-I. Revista da Associação Internacional de Lusitanistas. Porto: Fundação Eng. António de Almeida, 2000, p. 149-160.
  • „Nação e sertanidade: formação étnica e civilizatória do Brasil, segundo Euclides da Cunha". In: David Schidlowsky, Olaf Gaudig und Peter Veit (orgs.). Zwischen Literatur & Philosophie: Suche nach dem Menschlichen. Berlin: Wissenschaftlicher Verlag Berlin, 2000, p. 305-348 [versão ampliada do artigo publicado sob o título „Sertão e nacionalidade“, Rio de Janeiro 1999].
  • „A Guerra como painel e espetáculo: A História encenada em Os Sertões de Euclides da Cunha", in: Antônio Martins Filho e Teoberto Landim (orgs.) Colheita Tropical: Homenagem ao Prof. Dr. Helmut Feldmann. Fortaleza: UFC / Casa de José de Alencar, 2000, p. 290-343.
  • „O Tradutor implícito: Considerações acerca da translingualidade de Os Sertões". In Revista USP, São Paulo, no. 45, março/abril/maio 2000, p. 85-105 [também publicado em: Brasil/Brazil. Revista de literatura brasileira/ A Journal of Brazilian Literature. PUC do Rio Grande do Sul / Brown University, no. 22, ano 12, 1999, p. 21-62].
  • „O Tradutor implícito: translingualidade e transculturalidade em Os Sertões“. In: Maria José P. Monteiro (org.) Práticas discursivas: instituição, tradução & literatura, Rio de Janeiro: UFRJ/ Faculdade de Letras, 2000, p. 53-89 [versão mais extensa do artigo anterior].
  •  „João Antônio und die Dekonstruktion der malandragem". In: Ligia Chiappini / Berthold Zilly (orgs.) Brasilien, Land der Vergangenheit? Frankfurt am Main: TFM, 2000, p. 181-199.
  • „João Antônio e a desconstrução da malandragem". In: Ligia Chiappini, Antonio Dimas, Berthold Zilly (orgs.). Brasil, país do passado?. São Paulo: Boitempo: 2000, p. 173-194.
  • „Canudos telegrafado: A guerra do fim do mundo como evento de mídia na Europa de 1897", in: Ibero-amerikanisches Archiv. Zeitschrift für Sozialwissenschaften und Geschichte, NF Jahrgang 26, Berlin 2000, p. 59-96.
  • „Minha Formação (1898) de Joaquim Nabuco – a estilização do brasileiro ideal". In: Edgar Salvadori de Decca / Ria Lemaire (orgs.). Pelas Margens: outros caminhos da história e da literatura. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2000, p. 253-264.
  • „Nachwort: das Vaterland zwischen Parodie, Utopie und Melancholie“, in: Afonso Henriques de Lima Barreto, Das traurige Ende des Policarpo Quaresma, Zürich: Ammann, 2001, p. 309-336 [posfácio da edição alemã de Triste fim de Policarpo Quaresma; versão modificada intitulada “Ein brasilianischer Klassiker endlich auf deutsch zugänglich: Lima Barreto, Das traurige Ende des Policarpo Quaresma. Das Vaterland zwischen Parodie, Utopie und Melancholie”, in Tópicos. Deutsch-Brasilianische Hefte/ Cadernos Germano-brasileiros, 40. Jahrgang; Hefte 1-3, 2001; na internet: www.topicos.net/fileadmin/pdf/2001/2/Quaresma.pdf; www.topicos.net/fileadmin/pdf/2001/3 /Quaresma.pdf; www.topicos.net/fileadmin/pdf/2001/4/Quaresma.pdf].
  •  “A Barbárie: antítese ou elemento da Civilização? Do Facundo de Sarmiento a Os Sertões de Euclides da Cunha”, in: Angela Mendes de Almeida, Berthold Zilly e Eli Napoleão de Lima (orgs.). De sertões, desertos e espaços incivilizados, Rio de Janeiro: Mauad, 2001, p. 271-301 [em grande parte idêntico com “A Barbárie: de Facundo a Os Sertões”, publicado na internet: www.acessa.com/gramsci/?palavra_busca=Zilly&tipo=0&page=busca&x=7&y=13].
  • "Da Responsabilidade política do Teatro: notas sobre Mephisto de Ariane Mnouchkine". In Repertório – Teatro & Dança, Ano 4, No 6, Salvador: EDUFBA, 2002, p. 17-29.
  • „‘Os Sertões‘ 100 anos depois: Euclides da Cunha chamou a atenção para os excluídos em obra fundadora da nacionalidade“. In: Jornal do Brasil, 24/8/2002, Caderno Idéias, p. 4. [republicado com o título “‘Os Sertões‘ 100 anos depois, segundo Zilly“, in: O Liberal, Belém, 26/8/2002, p. 3].
  • „‚Triste Fim de Policarpo Quaresma‘, uma obra do renomado romancista brasileiro Lima Barreto que satiriza as condições essencialistas e puristas de uma identidade nacional. Opiniões de seu tradutor para o alemão, Berthold Zilly“. Entrevista com Simone de Mello. In: Humboldt, 86. Bonn: Goethe Institut / Inter Nationes, 2002, p. 56-58 [também publicado em espanhol na revista Humboldt 138].
  • “A história encenada em Os Sertões”. In: Sala Preta. Revista de Artes Cênicas, n° 2, São Paulo: USP-ECA, 2002, p. 193-205 [versão condensada do artigo acima referido “A Guerra como painel e como espetáculo”, de 1998].
  • „Uma construção simbólica da nacionalidade num mundo transnacional“. In: Cadernos de Literatura Brasileira. Números 13-14. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2002, p. 340-359.
  •  „Uma epopéia nacional na era do imperialismo: luz e trevas nos sertões de Euclides da Cunha (1866-1909)“. In: Revista do Livro, N° 46, ano 14, dezembro 2002, Rio de Janeiro: Departamento Nacional do Livro, 2002, p. 41-61 [versão ampliada do artigo acima indicado, também publicado na internet: www.acessa.com/gramsci/?page=visualizar&id=11].
  • “Da palavra cênica à encenação da palavra”. In: Os Sertões 100 anos. Teatro Oficina. Folheto de programa da estréia. São Paulo: Teatro Oficina, 2002 [na internet: http://www2.uol.com.br/teatroficina/velhosite/sertoes/01_terra/introducao.htm].
  • „‘Triste Fim de Policarpo Quaresma‘, uma obra do renomado romancista brasileiro Lima Barreto que satiriza as visões essencialistas e puristas de uma identidade nacional. Opiniões de seu tradutor para o alemão, Berthold Zilly“ (entrevista de Simone de Mello com B.Z.). In: Humboldt 86. Bonn: Goethe-Institut, 2003, p. 56-58.
  • “El legendario grupo teatral Oficina de São Paulo pone en escena la epopeya “Os Sertões” de Euclides da Cunha como obra de arte total”. In: Humboldt 139. Bonn: Goethe-Institut 2003, p. 74-75 [Também publicado em português, em Humboldt 87, 2003, p. 74-75].
  • “Berthold Zilly”. Entrevista concedida a Manoel Neto. In: Manoel Neto; Roberto Dantas (orgs.). Os Intelectuais e Canudos: o discurso contemporâneo. Vol. 2. Salvador: Editora Uneb., 2003, p. 219-249.
  • “A pátria entre paródia, utopia e melancolia”. In: Estudos Sociedade e Agricultura, número 20, Rio de Janeiro: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro/CPDA, 2003, pgs. 45-80 [versão portuguesa, traduzida por Simone de Mello, do posfácio de: Afonso Henriques de Lima Barreto. Das traurige Ende des Policarpo Quaresma. Tradução de Berthold Zilly. Zürich: Ammann, 2001].
  • „Zwiespalt, Verwandlung, Wiederkehr“. Posfácio para: Raduan Nassar, Das Brot des Patriarchen. Roman. Traduzido para o alemão por Berthold Zilly. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2004, pgs. 131-147.
  • “‘Lavoura Arcaica’ endlich auf deutsch. Gespräch mit Berthold Zilly über ‘Das Brot des Patriarchen’ von Raduan Nassar.” (Entrevista de Viviane de Santana Paulo com Berthold Zilly). In: Tópicos. Deutsch-Brasilianische Hefte/ Cadernos Germano-Brasileiros. 43. Jahrgang, 1-2004, Bonn: Deutsch-Brasilianische Gesellschaft, 2004, p. 46-48 [publicado na internet: www.topicos.net.fileadmin/pdf/2004/1/Lavoura_Arcaica.pdf].
  • “Poetisch gebändigte Maßlosigkeit. Anmerkungen zu Raduan Nassar: Lavoura Arcaica – Das Brot des Patriarchen.” In: Martius-Staden-Jahrbuch. N° 51. São Paulo: Instituto Martius-Staden, 2004, p. 261-310.
  • “Herman Melvilles ‘Benito Cereno’ und Lasar Segalls ‘Emigrantenschiff’. Ein Exkurs”. In: Richard Faber (org.). Imperialismus in Geschichte und Gegenwart. Würzburg: Könighausen & Neumann, 2005, p. 273-276.
  • "Lavoura Alemã. Entrevista de Berthold Zilly a Viviane Santana. Apresentação de Masé Lemos". In: Argumento, Uma Livraria em Revista, no. 8., Rio de Janeiro: Editora Argumento, 2005, p. 40-45.
  • “Die Barbarei als Gegenteil und als Kehrseite der Zivilisation: von D.F. Sarmiento: Facundo (1845) zu E. da Cunha: Os Sertões (1902)”. In: Martius-Staden-Jahrbuch. Nr. 52. São Paulo: Instituto Martius-Staden, 2005, p. 285-342.
  • “Lavoura arcaica – lavoura poética – lavoura tradutória: Historicidade e transculturalidade da obra-prima de Raduan Nassar”. In: Matraga. Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras, anon, n° 17, Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Editora Caetés, 2005, pgs. 119-140. .
  • „Himmel in Flammen. Mário de Sá-Carneiro. Biographische Skizze“. In Schreibheft. Zeitschrift für Literatur, 64 (April 2005), org. por Norbert Wehr. Essen: Rigodon Verlag 2005, pgs. 33-34.
  • „Uma crítica a visões puristas e essencialistas da cultura nacional: Triste fim de Policarpo  Quaresma, de Lima Barreto“. In: Alfredo Eurico Rodrigues Matta et alii (orgs). Educação, cultura e direito: coletânea em homenagem a Edivaldo M. Boaventura. Salvador: Edufba, 2005, pgs. 501-530 [versão revista do artigo acima referido “A Pátria entre paródia, utopia e melancolia”, 2003, publicada na internet com o título „Lima Barreto e a cultura nacional“: Http://www.acessa.com/gramsci/?page=visualizar&id=482].
  • „Lavoura arcaica – lavoura poética – lavoura tradutória: historicidade, atualidade e transculturalidade da obra-prima de Raduan Nassar“. In: Dietrich Briesemeister; Axel Schönberger (orgs.). Varietas litterarum lusitanicarum: Studien zu den Literaturen Angolas, Brasiliens, Mosambiks und Portugals. Frankfurt am Main: Domus Editoria Europaea, 2006, pgs. 235-276.
  • “En Diálogo. Berthold Zilly. Entrevista: Viviane Santana de Paula”. In: Diálogo Científico. Revista semestral de investigaciones alemanas sobre sociedad, derecho y economía, Vol. 15, n° 1-2, 2006, Tübingen: Centro de Comunicación Científica con Ibero-América (CCC) p. 171-189 [sobre Lavoura Arcaica, de Raduan Nassar].
  • “Nachwort”, in: Domingo Faustino Sarmiento. Barbarei und Zivilisation. Das Leben des Facundo Quiroga. Übertragen und kommentiert von Berthold Zilly. Frankfurt am Main: Eichborn 2007, S. 421- 446 [posfácio da tradução de: Domingo Faustino Sarmiento. Facundo. Civilización y barbarie, 1845].

Tradução:

  • Euclides da Cunha. Krieg im Sertão. Aus dem brasilianischen Portugiesisch von Berthold Zilly. Frankfurt a.M.: Suhrkamp, 1994 [tradução de Os Sertões, com notas, glossário e posfácio do tradutor; reedição como livro de bolso em 2000].
  • Mário de Sá-Carneiro: Lúcios Bekenntnis. Aus dem Portugiesischen übersetzt und mit einem Nachwort versehen von Berthold Zilly. Frankfurt a. M.: Suhrkamp, 1997 [tradução de A Confissão de Lúcio, com posfácio do tradutor].
  • Afonso Henriques de Lima Barreto. Das traurige Ende des Policarpo Quaresma. Aus dem Brasilianischen Portugiesisch, mit Zeittafel, Glossar und Nachwort versehen von Berthold Zilly. Zürich: Ammann, 2001 [tradução de Triste fim de Policarpo Quaresma, com cronologia, glossário e posfácio do tradutor; já saíram duas outras edições, a última como livro de bolso, no Berliner Taschenbuch Verlag, 2003].
  • Gregor Laschen (org.). Die Bogenform der Erinnerung: Poesie aus Portugal. Ana Luísa Amaral, Paulo Teixeira, Nuno Júdice, Rosa Alice Branco, Casimiro de Brito, Vasco Graça Moura. Nachdichtungen von Kerstin Hensel, Barbara Köhler, Gregor Laschen, Johann P. Tammen, Jürgen Theobaldy, Peter Waterhouse. Interlinearversionen von Berthold Zilly. Bremerhaven: Wirtschaftsverlag 2001 (= edition die horen 28) [tradução literal de poemas portugueses recriados por poetas alemães].
  • Raduan Nassar. Das Brot des Patriarchen. Aus dem brasilianischen Portugiesisch übersetzt und mit einem Nachwort versehen von Berthold Zilly. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2004 [tradução de Lavoura Arcaica com posfácio do tradutor].
  • Domingo Faustino Sarmiento. Barbarei und Zivilisation. Das Leben des Facundo Quiroga. Übertragen und kommentiert von Berthold Zilly. Frankfurt am Main: Eichborn 2007 (= Die Andere Bibliothek, vol. 271) [com notas, glossário, cronologia e posfácio de B.Z.].

Tradução de diversos ensaios, peças radiofônicas, peças de teatro, filmes e poemas do português para o alemão, inclusive na Internet (p.e. tradução de poemas de Bernardo Pinto de Almeida, Gonçalo M. Tavares, Pedro Tamen, no site „www.lyrikline.org“); uma das últimas traduções para o teatro foi a das legendas para a tetralogia: Os Sertões, do Teatro Oficina, de José Celso Martinez Corrêa, no festival Ruhrfestspiele em Recklinghausen, maio-junho 2004, e no teatro Volksbühne, em Berlim, setembro 2005.